01 Jun 2020

Generic placeholder image

Um homem sentado numa calçada, maltrapilho, aparentando já ter entrado na melhor idade (acima dos 60 anos), falava de sua situação como morador de rua. Apesar de não possuir um teto e condições mínimas de conforto e bem-estar, sua fala era de conformação pelo rumo que sua vida havia tomado, fruto de suas escolhas. Provavelmente tinha menos de 40 anos, mas as cicatrizes pelo corpo, expressões na face revelava o sofrimento causadas pelo uso de drogas e do abandono das ruas. Estar conformado com aquela situação ficou evidenciado quando disse: “Foi Deus quem quis assim”. Não sei qualificar o que era mais triste: A sua situação de abandono ou o que ele disse. Deus quis assim? Deus quer a nossa penúria e o nosso abandono? Que pai deseja isso para um filho? A ignorância sobre a pessoa de Deus, o Pai, e de Cristo, o Filho modelo, tem levado muita gente a se conformar com a miséria do engano. Sem saber, cegamente, aquele pobre homem estava colocando a culpa em Deus. Suas escolhas e as devidas consequências eram impossíveis de ser observadas por ele. Porque muitas pessoas que não conhecem a Deus, quando passam por agruras, colocam a culpa no Pai de amor? Repetem uma terrível reza das instituições religiosas do tempo das trevas. Deus não é um Deus de morte e sofrimento. Deus não planejou uma vida de dor para homem. Deus é o Deus da vida e do livramento. Deus não criou o homem para morrer, mas para viver eternamente. Não criou para perder, mas para vencer. Deus seja louvado! Amém.