02 Dez 2019

Generic placeholder image

A fé de Abraão é louvável. Sair do conforto do seu lar; do aconchego familiar; da companhia dos amigos; das facilidades que têm uma cidade grande e organizada para se “aventurar” numa viagem pelo deserto, sem direção ou paradeiro, não é para qualquer um. Muitos podiam questionar aquela voz ouvida e desconfiar ou fazer ouvido de mercador, mas Abraão entendeu que aquela voz era a Palavra de Deus e confiou cegamente. A fé vem pelo ouvir a Palavra de Deus, mas muitos professos crentes de hoje são surdos à voz do espírito de Deus e seguem apenas o que os seus olhos indicam. Deus fez uma aliança com Abraão, e se ele cumprisse o combinado, faria dele uma grande nação, como as estrelas do céu, mas o filho tão prometido veio apenas 25 anos depois. Não é fácil esperar 25 anos. A fé de Abraão não estava apenas em sair de Ur dos Caldeus (Babilônia), mas também em perseverar, acreditando na Palavra do Senhor. Não foi fácil a caminhada, enfrentando todos os desafios que o deserto impunha pela escassez de tudo. Não bastasse tudo isso, ainda precisaria lidar com o sobrinho (Ló) que deveria ser um alivio, mas se tornou num fardo. Esse fardo fez com que Abraão compreendesse o que somos para Deus. Em Ló, Abraão pôde ver a misericórdia de Deus para com os que se afastam do Senhor. Nem todos os que estão conosco é para nosso consolo, mas com certeza é para o nosso aprendizado e crescimento. A fé é nutrida por muitas experiências, mas sobretudo por perseverarmos na Palavra de Deus. Deus seja louvado! Amém.