10 Jul 2019

Generic placeholder image

A versão da Bíblia, em português, denominada de “O Livro”, traduz João 1.18 assim: “Nunca ninguém viu Deus. Mas o seu Filho único, que vive na intimidade do Pai, no-lo revelou”. Essa versão enfatiza o relacionamento íntimo entre o Filho e o Pai. “O Filho único que vive na intimidade do Pai” é a pessoa mais qualificada e preparada para falar do Pai aos seres humanos. Por isso, Jesus Cristo se voluntariou para vir à terra, como homem, para revelar o Pai aos homens. O pecado havia afastado os seres humanos do Criador. O homem pecador, em trevas, já não podia viver na presença do Pai das luzes sem que não morresse. Afinal, as trevas não permanecem onde a luz está. Todavia, o amor de Deus e de Cristo são imensuráveis, pois mesmo antes do mundo ser fundado, planejaram a redenção do homem (Hb 9.26; 1Pd 1.20; Ef 1.4). Cristo veio, e como homem revelou o caráter do Pai aos homens. Ele veio “cheio de graça e de verdade; e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai” (João 1.14). Sem nenhum privilégio acima dos homens, nasceu numa manjedoura e viveu pobre, não tinha beleza ou formosura e nem reputação cultural ou acadêmica, mas através da Sua pregação e do Seu testemunho nos deixou o retrato falado do Pai na Sua pessoa (João 10.30). Ao curar o leproso e ressuscitar o filho da pobre viúva, nos transmitiu os verdadeiros sentimentos do Pai pela raça humana. ELE quer nos limpar da lepra do pecado e nos restaurar e nos transformar para a vida eterna. O pecado até nos impediu por um tempo de ver a Deus, mas pela redenção em Cristo, O veremos como ELE é, na Sua manifestação (1Jo 3.1,2). Deus seja louvado! Amém.