11 Jul 2019

Generic placeholder image

A rica língua portuguesa apresenta dois significados distintos para a palavra “Temor”. O primeiro (1): falta de tranquilidade, sensação de ameaça; susto; e o segundo (2): sentimento de profundo respeito e obediência. Por não conhecer os significados da língua hebraica e até da língua portuguesa, que traduziu a mensagem original, bem como o desprezo pelo contexto da mensagem, fizeram muitos cristãos sinceros enxergarem a Deus como alguém tirano, que quer que tenhamos medo dEle. O nosso Deus pode ser um fogo consumidor para o pecado, seus frutos e seguidores (Hb 12.29), mas para aqueles que O amam e obedece aos Seus mandamentos, Ele é amor (1Jo 4.16). Ora, Deus é Santo e por consequência disso devemos a ELE a nossa reverência, respeito e obediência. Medo, só deveríamos ter se o nosso Deus fosse um tirano e injusto. Deveríamos ter medo de um Deus compassivo, misericordioso e que oferece Seu perdão a todos os homens, sem exceção, que se arrependeram e se converteram do mal? ELE é um Deus justo que não aceita suborno e que não se deixa impressionar por multidões. O temor do Senhor, mesmo que não seja facilmente definido com a precisão gramatical, é completamente assimilado por Seu espírito na mente do homem reto, sincero e obediente aos Seus mandamentos. Só poderão guardar (guardai-o) esse temor e colocá-lo em prática (fazei-o), aqueles que buscam conhecer a pessoa de Deus por meio de Cristo. Sem o conhecimento das pessoas do Pai e do Filho, só restará o medo, mas no conhecimento dEles há liberdade e salvação. Deus seja louvado! Amém.