12 Ago 2019

Generic placeholder image

“Ninguém é uma ilha para viver isolado”. Esse pensamento é uma grande verdade quando refletido à luz da Palavra de Deus: “Não é bom que o homem esteja só” (Gn 2.18). É verdade que é muito salutar para físico e para o espírito reservar-se para orações e meditações nas Escrituras Sagradas, mas isolar-se até adaptar-se a solidão é perigoso. Deus criou o homem para ser sociável, viver em coletividade e aprender o que significa do amor – amar o próximo e a Deus. Com a vinda do terceiro milênio e o alcance mundial do fenômeno globalização, o ser individual tem sido o foco de estudos. Todos os produtos passaram a ser pensados à atender o “indivíduo”. A diversidade de modelos e cores para tornar um produto ímpar, tem causado efeito danoso a muitas mentes, que cada vez é mais egocêntrica. A Irlanda, a maior renda per capta por habitante, tem sido o laboratório de grandes empresas. Lá, muitos casais casados moram separados, cada um em seu apartamento. Essa tendência é crescente e o homem anda cada vez mais só. Está acabando o encontro presencial e o virtual tem crescido. Isolar-se é uma grande armadilha e já percebemos os frutos disso. Quase 400 milhões dos habitantes do planeta sofre de depressão, doença desconhecida no século passado. Diante de todas essas ameaças o SENHOR reina e quer visitar cada pessoa, mesmo que esteja morando no mais longínquo rincão. Assim como Jesus visitou a pobre viúva de Naim para dizer-lhe: “Não chores!” Aqueles que se isolaram como ilhas, Ele diz: “Alegrem-se, Eu estou aqui!” Deus seja louvado! Amém.