23 Mai 2019

Generic placeholder image

Glória ou vanglória? A maioria dos habitantes do planeta, como massa de manobra, parece está passando por um processo de involução. A massa alienada dá glória a qualquer pessoa que mostre habilidades, adquiridas por esforço repetitivo, ou por bizarrices. O ser diferente ou estranho tornou-se atração para mentes perturbadas. O prêmio de mulher do ano, por exemplo, é indicado a "mulher" mais lembrada pelas mídias, mesmo que tenha sido por polêmicas contra a moral e os bons costumes, esquecendo-se de mulheres que sacrificam suas vidas em prol de muitos. As igrejas cristãs também tem se comportado como um produto do meio e tem assimilado e aderido as potentes investidas das mídias. Líderes eloquentes têm esquecido as virtudes do espírito e aderido as vaidades: fama, dinheiro e poder, pelas influências midiáticas. Para eles, o crente rico é o abençoado, mas o cristão de vida simples é um amaldiçoado. Certamente, eles criticariam e falariam mal do apóstolo Paulo, se vivesse em nossos dias, pois se gloriava nas agruras, sofrimentos, prisões, torturas, fome, sede, nudez, frio... tudo por causa de Cristo. O homem culto e inteligente se rendeu a simplicidade do evangelho de Cristo. As vaidades humanas foram crucificadas com o velho homem chamado Saulo de Tarso. Como Paulo, o apóstolo dos gentios, chamado pelo próprio Cristo, não se gloriava nas conquistas passageiras e fúteis desse mundo, mas nas promessas eternas dadas pelo Senhor Jesus. Deus seja louvado! Amém.