24 Mar 2020

Generic placeholder image

Um instinto dominador, animalesco, habita no homem desde o primeiro pecado. Desde que o homem cobiçou a posição de Deus, ao dar ouvidos ao primeiro cobiçador e pai da mentira, quando disse: “SERÁS COMO DEUS, conhecedor do bem e do mal…” (Gn 3.5), tem buscado dominar sobre o seu próximo com rigor e dureza (Ez 34.4). Isso ocorre em todas as classes sociais, raças ou religiões. Nesse ponto o homem civilizado em nada difere de um animal selvagem que disputa seu habitat natural, suas fêmeas, seu território, suas presas… O homem natural cegou para a verdade de que existe apenas Um Dominador – Deus, que através de Cristo estabelece rei e reinos e ninguém pode se exaltar diante da Sua face (Dn 2.20-22). Riqueza, glória, força e poder pertencem a Deus e nenhum homem consegue competir com ELE, embora tente, ignorantemente. O homem que se exalta acima dos demais, com soberba, está de forma direta tomando o lugar de Deus. Não é sábio querer o lugar de Deus como dominador, submetendo os pares, irmãos, amigos, estranhos, enfim, o próximo sob sua ordem ou dependência. Os homens são iguais e, acima deles está apenas o Criador. Deus escolhe homens e os usa como vasos para Sua glória, tornando-os cabeça para o bom exemplo e não para a opressão. A liberdade em Cristo é um princípio inegociável. Se você exerce liderança sobre alguém seja humilde e bondoso, mas se é liderado, experimente a liberdade que Cristo oferece. Só os verdadeiramente livres escolhem obedecer a Deus, por Cristo. Deus seja louvado! Amém.