29 Nov 2019

Generic placeholder image

Já aprendemos aqui que a real motivação do homicida está no ódio contido em seu coração. Se não houvesse ódio não haveria violência. Se o grande problema é o ódio residente no coração, devemos despejá-lo e convidar Deus e Cristo, através do Seu santo espírito para que faça morada em nós, transformando-nos num templo santo ao Senhor (1Co 3.16,17). Só o espírito de Cristo, proveniente de Deus, que é amor, pode curar o ódio, ira e toda espécie de maldade. O amor de Deus é o “antibiótico” mais poderoso e eficaz para todos os que sofrem com problemas “cardíacos espirituais”. É sem contra-indicação e repleto de efeitos colaterais, para o bem, pois não cura só o ódio, que faz abater o espírito e secar os ossos (Pv 17.22), mas traz visão ao míope que tem dificuldade de enxergar a verdade; ao surdo que não ouvia mais a voz do espírito de Deus; força para fazer o paralítico ir fazer o bem; traz ao mudo ânimo para pregar a verdade que salva, e ao depressivo a motivação pelo testemunho de Cristo. O amor é o elixir polivalente que Deus no dá de graça, para sermos curados do mais terrível mal que infectou o nosso sistema imunológico, alterando o nosso DNA, nos transformando em pessoas inclinadas para o pecado e morte. Tudo começa quando aprendemos a viver em união uns com os outros. Amar uns aos outros é o exercício diário necessário para o que sofre de obesidade mórbida, causada pelo excesso de teorias e ausência de prática, provocada pela religiosidade e falta de espiritualidade. Busquemos amar como Cristo. Deus seja louvado! Amém.