30 Mai 2020

Generic placeholder image

Muitas são as exortações nas Escrituras Sagradas. Muitas dessas exortações foram dadas através das bocas e penas inspiradas dos patriarcas e profetas, mas muitas outras foram dadas pelo próprio Filho de Deus, o Verbo, a Palavra Viva e a própria Verdade. Existe a exortação para aqueles que estão em erro e são convidados ao arrependimento e ao retorno para o caminho da verdade e da justiça. Hoje, as exortações quase não existem mais. Em seu lugar colocaram a “motivação”, conforme costume asiático. Logicamente, contrário as teorias orientais de auto-estima e auto-ajuda que tem confundido a mente de muitos professos cristãos. O incentivo às práticas do amor e das boas obras entre os irmãos é um conselho necessário apontado pelo autor do livro aos Hebreus. A palavra Incentivar ou Motivar é utilizada com muita propriedade, no meio daqueles que creem na mesma fé, para ensinar aqueles que estão com as mãos na obra do Senhor, incentivando-os e motivando-os a se mobilizam e agirem com paciência e perseverança no ministério da Palavra de Deus. Não se motiva ninguém apontando o erro para denegrir ou humilhar. Se conseguimos enxergar o erro de alguém, também deveríamos apontar a solução. Aquele que já faz, deve ser incentivado a fazer mais ainda, exemplificando em público, diante de todos, para que possam copiar estes bons exemplos. Aqueles que desenvolvem a obra da união dos irmãos, faz a obra de Jesus Cristo: “…quem comigo não ajunta, espalha”. (Lc 11.23). Deus seja louvado! Amém.