19 Nov 2018

Generic placeholder image

Cristo conduziu Pedro, Tiago e João para o cume de um monte, e lá, depois de lhes aparecerem Moisés e Elias, a glória (uma nuvem de luz) do Pai desce sobre Seu Filho Jesus, seguida da voz: "Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo, ouçam-no". Os discípulos ao ouvirem a potente voz de Deus, cobriram seus rostos e caíram ao chão com muito medo. Medo do Deus e Pai de amor? Se isso ocorresse com os evangélicos nos dias de hoje, a reação seria diferente? É difícil saber, mas tomando como parâmetro que os discípulos que viam Cristo face a face e ouviam Ele falar do Pai com tanta precisão, temeram, imagine os "discípulos" de hoje que nem buscam conhecer o Pai. Falam de todo mundo, e neste caso, especificamente, até preferem explorar sobre Moisés e Elias, e nem se dão conta da presença do Pai no contexto. Jesus Cristo precisa intervir naquela triste cena: o homem com medo de Deus. Não temem o pecado, mas diante de Deus ficam apavorados, pois o pecado distorceu a visão do homem em relação ao amor de Deus. É neste momento que Cristo entra em cena para revelar o Pai, novamente: Levantem! Não tenham medo! Se os maus pais deste mundo fazem o bem, imagine o vosso Pai celestial!? Não há razão para termos medo de Deus. Nosso Pai celeste nos ama. Deus seja louvado! Amém.