22 Nov 2018

Generic placeholder image

Não há nada mais impactante nas emoções do que a morte. Essa terrível perda pode causar graves danos à mente humana, "calcificando" traumas que poderão permanecer para sempre. Talvez por isso, os povos de todas as épocas sejam mais devotos a morte do que a vida. Nos dias do antigo Israel, as nações vizinhas tinham este costume. As pessoas eram manipuladas através de suas emoções (como são as de hoje também), e as lideranças políticas e religiosas não perderiam esta oportunidade de escravizar as mentes através da maior emoção - a morte. Cultos aos mortos vem de muitos anos antes de Cristo; consulta à "espíritos de mortos"; de parentes que já haviam morrido, eram práticas pagãs tão perigosas, que Deus deu mandamentos específicos e diretos contra tais práticas. Eram consideradas como abominações e os que fossem encontrados realizando tais práticas deveriam pagar com a pena capital (Dt 18.10-12). Já nos dias do profeta Isaías, o Senhor nos traz a luz do conhecimento uma forte argumentação para que o Seu povo santo pusesse fim a esta prática abominável: "A favor do vivos, se consulta os mortos?" Que pergunta forte! Chama os racionais a racionalidade. Conclui: "Porventura o povo não consultará a Seu Deus?" O Deus dos vivos ou Deus vivo, que são alguns dos Seus nomes. Quem quer ter vida e vida em abundância vai a ELE através de Seu Filho Jesus Cristo. Deus seja louvado! Amém.