Pão Matinal (13 Set 21)

Generic placeholder image

O SENHOR DO DESERTO

O SENHOR Deus é aquele que clama ao Seu povo do deserto. ELE faz ecoar a Sua voz nas cidades e vilarejos por meio dos Seus servos, os profetas.

João Batista foi um instrumento usado por Deus, para que a Sua voz fosse ouvida nas cidades, por um povo rebelde que haviam se desviado do verdadeiro caminho e ainda apagado as veredas para que outros povos o encontrasse.

A voz do SENHOR vem do deserto. O homem precisa ouvir essa voz e se dirigir para lá. Voltar ao caminho, às antigas veredas que nossos antigos pais andaram (Jr 6.16).

A vereda mais antiga e o caminho original está lá no deserto. Foi pra lá que o SENHOR levou o Seu povo, Israel, quando o libertou da servidão egípcia. Foi lá que o SENHOR entregou a Sua santa Lei, marco de toda a escrita. Deu também todos as demais instruções, também escrita, além de enviar o Seu Anjo diante deles, de dia e de noite (Ex 23.20-23).

Tudo começou com a Santa Lei de Deus, essa é a vereda mais antiga a ser buscada. A voz de Deus clama de lá, para que o Seu povo se dirija para lá, para ELE>

Cristo era a própria Palavra viva de Deus. Ele veio a este mundo para restaurar a vereda apagada pelo povo rebelde que preferiram servir a outros deuses. Ele é o caminho direito que nos conduz ao Pai:

“Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o CAMINHO, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.” (João 14.6).

O Deus santo e invisível aos olhos dos pecadores, gritava dos desertos para Seu professo povo, convidando-os à reconciliação. Sem poder aparecer pessoalmente, enviou o Seu Filho unigênito para o representar e conduzir o Seu povo, muito antes do Sinai:

“Deus nunca foi visto por alguém. O Filho unigênito, que está no seio do Pai, esse o revelou.” (João 1.18).

Hoje, todos os verdadeiros seguidores de Cristo devem imitá-lo, seguindo o seu exemplo (João 13.15), fazendo a mesma obra, que é conduzir pessoas do mundo inteiro, fazendo discípulos para Cristo e guiando-os à Voz que clama no deserto.

Para o professo rebanho do Senhor, presos e escravizados nos currais das instituições, que nunca experimentou a verdadeira liberdade em Cristo, é dito a ele: “Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á, e entrará, e sairá, e achará pastagens” (João 10.9).

A melhor pastagem está nas terras desertas, onde Davi e os grandes pastores aprenderam do Senhor. Nas terras férteis das grandes cidades, como Gomorra, escolhida pelo olho gordo de Ló, só há escravidão e destruição.

Deus e Cristo Jesus sejam louvados! Amém.