Pão Matinal (18 Jun 21)

Generic placeholder image

O QUE VEM DE DEUS?

A tentação é algo específico da condição humana, da carne pecaminosa, herdada de Adão e Eva, após o pecado:

“Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é Deus, que não vos deixará tentar acima do que podeis, antes com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar” (1Co 10.13).

Haja visto que Eva não foi “tentada” pelo diabo como nós somos hoje, mas enganada com astúcia:

“Mas temo que, assim como a serpente enganou Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos, e se apartem da simplicidade que há em Cristo” (2Co 11.3).

A tentação está para o humano, assim como a força e perfeição está o divino. Antagônicos e contraditórios entre si.

A tentação existe e ganha força nos seres humanos, devido a carne ter se tornado propensa ao pecado. A mente do homem carnal está sempre lhe cobrando que satisfaça os desejos de sua carne, que por sua vez está sempre inclinada para o pecado e morte. Resistir a esses terríveis impulsos requer a poderosa ajuda de Deus, que por Seu espírito nos concede conhecimento da verdade e poder espiritual para equilibrar as forças.

Devido a isso, jamais a tentação do homem é uma providência de Deus, pois ELE não habita na carne humana, mas no espírito.

O fato de Deus permitir a tentação, não significa que ELE seja o provedor da mesma. ELE permite a tentação para que o Seu espírito nos ensine a dominar a carne e vencer o pecado. A tentação sem a ajuda do espírito de Deus em nós é certeza de derrota, mas se aceitarmos a ajuda espiritual que Deus nos oferece por Cristo (Gl 4.6), a tentação se tornará numa provação para aprovação do vencedor em Cristo.

É possível ao homem vencer o pecado?

Sim, perfeitamente! Jesus Cristo provou isso. Ele participou das mesmas coisas que nós, conforme nossa carne e sangue (Hb 2.14), sendo semelhando a nós em tudo (Hb 2.17). Ele foi tentado, como nós, em todas as coisas, mas não cedeu à carne e nem cometeu pecado (Hb 4.15).

Ele se tornou o nosso perfeito exemplo de vencedor de tentações e de aprovado nas provações. Com isso, ele foi aperfeiçoado e se tornou o autor da nossa eterna salvação (Hb 5.9).

Não é sem motivos que o apóstolo Paulo nos diz que em Cristo somos mais que vencedores (Rm 8.37).

Deus e Cristo sejam louvados! Amém.